A AES Tietê

A energia que impulsiona o Brasil passa por nós

A AES Brasil investe há mais de 20 anos no Brasil e é uma geradora de energia elétrica 100% renovável do país, com classificação ESG nível “A” no MSCI, um dos principais ranking de avaliação a resiliência de uma empresa a riscos ESG. Com uma capacidade instalada operacional e em construção que somam 3,7 GW de energia exclusivamente renovável, seu portfólio é composto por fontes hidráulica, eólica e solar, com plantas localizadas nos Estados de São Paulo, Bahia e Rio Grande do Norte, além de um pipeline em análise com capacidade para mais 3,0 GW. Sua posição estratégica se destaca das demais geradoras por constituir um veículo de crescimento em energia renovável, com investimento contínuo na expansão de seu parque gerador, bem como no desenvolvimento de novas tecnologias e produtos inovadores, complementares ao seu posicionamento no mercado de energia. Da comercialização da energia gerada por suas usinas ao desenvolvimento de soluções de energia renovável de pequeno e grande porte, a Companhia se apresenta como viabilizadora da integração da sustentabilidade aos negócios de seus clientes.

As units da Companhia são negociadas no Nível 2 de Governança Corporativa da B3 S.A. sob o código TIET11, sendo cada unit formada por 4 ações preferenciais e 1 ação ordinária de emissão da Companhia. As units integram o Índice de Energia Elétrica (“IEE”) e o Índice de Sustentabilidade Empresarial (“ISE”) da B3.

Em 1999, o grupo AES adquiriu a Companhia de Geração de Energia Elétrica Tietê, uma das três empresas criadas no processo de cisão da Companhia Energética de São Paulo (CESP) para privatização. A empresa, até então denominada AES Tietê S.A., manteve o parque de 12 usinas hidrelétricas e passou a ser controlada pela Companhia Brasiliana de Energia – holding formada pela AES Corp e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

A Companhia tem concessão de 30 anos (até 2029) para a fonte hidráulica e quase a totalidade de sua energia assegurada estava contratada, até 2015, por meio de um contrato bilateral de compra e venda de energia elétrica com a AES Eletropaulo. Considerando o vencimento em dezembro de 2015 do contrato de energia com a AES Eletropaulo, a AES Tietê S.A. iniciou em 2012 sua estratégia de comercialização de energia para negociar a maior parcela de sua energia disponível no Ambiente de Contratação Livre (ACL).

Em julho de 2011, a Companhia finalizou a construção da PCH São Joaquim, em São João da Boa Vista (SP), que somou 3 MW à capacidade instalada da AES Tietê S.A. e que fica localizada no Rio Jaguari – Mirim. Há ainda a unidade PCH São José, também localizada no Rio Jaguari-Mirim, com 4 MW de capacidade instalada, na qual a construção foi finalizada no início de 2012.

Em 31 de dezembro de 2015, foi finalizada a reestruturação societária da AES Tietê S.A. e de sua controladora, a Companhia Brasiliana de Energia. Nessa reestruturação, a AES Tietê S.A incorporou a a AES Rio PCH Ltda. e, posteriormente, foi incorporada pela Companhia Brasiliana de Energia. A denominação da Companhia resultante foi alterada para AES Tietê Energia S.A..

Além da fonte hidráulica, a Companhia incluiu em seu portfólio a fonte eólica, em agosto de 2017, por meio da aquisição do Complexo Eólico Alto Sertão II com capacidade instalada de 386,1 MW e energia contratada por 20 anos por meio de Leilão de Energia de Reserva (LER) e Leilão de Energia Nova A-3 (LEN) realizados em 2010 e 2011, cujos contratos expiram em 2033 e 2035, respectivamente.

A fonte solar passou a fazer parte do portfólio da Companhia em agosto de 2017 após a conclusão da aquisição do Complexo Solar Boa Hora, com capacidade total projetada de 91 MWp (75 MWac). A planta foi outorgada no 8o Leilão de Energia de Reserva realizado em 13 de novembro de 2015 com o direito de fornecimento de energia contratada por 20 anos. Adicionalmente, a Companhia obteve no 25o Leilão de Energia Nova A-4/2017 o direito de comercializar, no mercado regulado, energia a ser gerada pelo Complexo Solar Água Vermelha II, construído em conjunto com Boa Hora, constituindo o Complexo Solar Ouroeste. O complexo teve entrada em operação comercial faseada, sendo que a primeira delas iniciou operação comercial em 14 de agosto de 2019 e a segunda iniciou sua operação comercial em 29 de novembro do mesmo ano.

Ainda a respeito da fonte solar, a Companhia assinou um acordo de investimentos para a aquisição do Complexo Solar Bauru, com capacidade instalada projetada de 180 MWp (150 MWac) e localizado no município de Guaimbê, no Estado de São Paulo. A planta foi outorgada no 6o Leilão de Energia de Reserva realizado em 31 de outubro de 2014, com energia contratada por 20 anos. Em 3 de setembro de 2018, a AES Brasil concluiu a aquisição do Complexo Solar Guaimbê, que passou a contribuir para o resultado da Companhia a partir do mesmo mês

AES Tietê

Por que investir?

A Companhia possui um conjunto de vantagens competitivas que lhe permitem continuamente melhorar sua performance operacional e financeira. Essas vantagens consistem principalmente em:

  • Forte capacidade de geração de caixa;
  • Boas práticas de governança corporativa;
  • Adoção de práticas sustentáveis na condução dos negócios;
  • Prática de remuneração dos acionistas nos últimos 5 anos: Pagamento trimestral da totalidade do lucro líquido
  • Administração experiente - Os conselheiros e diretores da Companhia possuem vasta experiência nos segmentos de distribuição e geração de energia elétrica, tanto no setor privado como no público.
  • Acionistas importantes e comprometidos - A AES Corporation é uma companhia líder no mercado mundial de energia elétrica com mais de 36GW de capacidade instalada (sendo mais de 8 GW de fontes renováveis) que opera ativos em 16 países, atendendo mais de 100 milhões de pessoas. 
  • Portfólio de ativos diversificado
Operação

A Companhia tem 2.658 megawatts (MW) de potência instalada hidráulica. São doze usinas hidrelétricas localizadas nas regiões central e noroeste do Estado de São Paulo. Cinco delas - Barra Bonita, Bariri, Ibitinga, Promissão e Nova Avanhandava - ficam no rio Tietê, que corta o estado no sentido leste-oeste, com 1.100 quilômetros de extensão. Essas usinas foram projetadas e construídas visando ao múltiplo aproveitamento da água. Além da geração de energia, elas permitem controle de cheias, navegação hidroviária, desenvolvimento da piscicultura e atividades de recreação, entre outros usos.

A usina Água Vermelha, com 1.396 MW de potência instalada, é a maior hidrelétrica da companhia, respondendo sozinha por 59% da energia assegurada total da empresa. Está localizada no Rio Grande, na divisa entre os Estados de São Paulo e Minas Gerais.

Há outras três hidrelétricas no rio Pardo - Caconde, Euclides da Cunha e Limoeiro - e mais uma no rio Mogi Guaçu, também denominada Mogi Guaçu.

Características gerais das usinas:

Bacia
Hidrográfica/Rio
Usina Início da
Operação
Quantidade de
turbinas
Capacidade
instalada (MW)
Alto Tietê Barra Bonita 1963 4 141
Alto Tietê Bariri 1965 3 143
Alto Tietê Ibitinga 1969 3 132
Alto Tietê Promissão 1975 3 264
Alto Tietê Nova Avanhandava 1982 3 347
Rio Grande Água Vermelha 1978 6 1.396
Pardo Limoeiro 1958 2 32
Pardo Euclides da Cunha 1960 4 109
Pardo Caconde 1966 2 80
Mogi-Guaçu Mogi-Guaçu 1994 2 7
Jaguari-Mirim São Joaquim 2011 1 3
Jaguari-Mirim São José 2012 1 4
TOTAL       2.658

Da fonte eólica, a Companhia tem 386,0 MW de capacidade instalada, oriunda do Complexo Eólico Alto Sertão II. São quinze parques eólicos localizados no Estado da Bahia que compões o Complexo.

Características gerais das usinas:

Parques Eólicos - Alto Sertão II
LER 2010 Capacidade Instalada (MW) LEN (A-3) 2011 Capacidade Instalada (MW)
Dos Araças 31,9 Ametista 28,6
Da Prata 21,8 Borgo 20,2
Morrão 30,2 Caetité 30,2
Seraíma 30,2 Dourados 28,6
Tanque 30,0 Espigão 10,1
Ventos do Nordeste 23,5 Maron 30,2
TOTAL 167,7 Pelourinho 21,8
    Pilões 30,2
    Serra do Espinhaço 18,5
    TOTAL 218,4

 

Da fonte solar, a Companhia tem 294,1 MW de capacidade instalada, oriunda dos Complexos Solares Guaimbê e Ouroeste. 

Características gerais:

Complexos Solares
Operação Capacidade Instalada (MW) Fim do PPA Fim da Autorização
Complexo Guaimbê 150,0 Set/30 Jun/50
Complexo Ouroeste 144,1 - -
   Fase 1 69,1 Out/38 Jun/51
   Fase 2 75,0 Dez/40 Jun/53
logo tiet3 logo tiet

Copyright 2020 AES Brasil - Todos os direitos reservados

Desenvolvido: RIWEB