Endividamento

Endividamento

DÍVIDA - R$ MILHÕES Montante1 Vencimento Custo Nominal
AES Brasil Energia - Consolidado 6.459,2    
AES Brasil Energia  1.100,9    
1ª Emissão de Debêntures  1.100,9 mar/25 CDI + 2,30% a.a.
AES Brasil Operações - Consolidado 5.358,3    
AES Brasil Operações²  4.629,9    
5a Emissão de Debêntures 235,9 dez/23 IPCA + 6,54% a.a.
6a Emissão de Debêntures - 2a série 417,4 abr/24 IPCA + 6,78% a.a.
8a Emissão de Debêntures 219,4 mai/30 IPCA + 6,02% a.a.
9a Emissão de Debêntures 1a série 1.385,6 mar/27 CDI + 1,00% a.a.
9a Emissão de Debêntures 2a série 752,6 mar/29 IPCA + 4,71% a.a.
9a Emissão de Debêntures 3a série 210,0 mar/29 IPCA + 4,71% a.a.
Empréstimo 4131 (captação em 2020)4 551,2 dez/25 CDI + 1,63% a.a.
Empréstimo 4131 (captação em 2021)4 656,3 mar/26 CDI + 1,78% a.a.
Brasventos Eolo (BNDES) 65,9 out/29 TJLP + 2,51% a.a.
Brasventos Miassaba (BNDES) 66,2 out/29 TJLP + 2,71% a.a.
Rio dos Ventos 3 (BNDES) 69,5 out/29 TJLP + 2,51% a.a.
AES Tietê Eólica 111,1    
1a emissão de Debêntures - 1série 48,8 dez/25 IPCA + 7,61% a.a.
1a emissão de Debêntures - 2série 62,3 dez/25 IPCA + 7,87% a.a.
Complexo Santos (BNDES) 117,7    
São Jorge 43,8 dez/30 TJLP + 2,45% a.a.
São Cristóvão 48,6 dez/30 TJLP + 2,45% a.a.
Santo Antonio de Pádua 25,2 dez/30 TJLP + 2,45% a.a.
Complexo MS (BNDES) 47,7    
Mar e Terra 10,8 nov/29 TJLP + 1,88% a.a.
Embuaca 11,9 mai/30 TJLP + 1,76% a.a.
Icaraí 11,8 out/29 TJLP + 1,66% a.a.
Bela Vista 13,2 nov/29 TJLP + 1,66% a.a.
Complexo MS (BNB)3 140,6    
Mar e Terra 39,6 mai/33 2,5% a.a.
Embuaca 37,2 mai/30 2,5% a.a.
Icaraí 25,3 mai/31 2,5% a.a.
Bela Vista 37,7 mai/30 2,5% a.a.
Complexo Tucano (Debênture) 311,0    
1ª emissão de Debêntures – Holding II 311,0 set/41 IPCA + 6,06% a.a.

Saldo contábil atualizado, considerando principal, juros e custos da transação.
2 Não considera arrendamento financeiro.
3 Custos das operações offshore estão representadas após operações de derivativos, que protege 100% do fluxo de caixa
4 Taxa pré

 

Dívida bruta e líquida

A dívida bruta consolidada da AES Brasil encerrou 31 de março de 2022 em R$ 6.459,2 milhões e sua controlada, AES Brasil Operações, encerrou o 1T22 com dívida bruta consolidada de R$ 5.358,3 milhões, 13,1% inferior à posição de dívida bruta do mesmo período de 2021 (R$ 6.167,2 milhões).

A variação da dívida bruta da AES Brasil Operações entre os períodos é explicada, principalmente, pelo: (i) vencimento das 4ª, 5ª e 6ª emissões de notas promissórias no montante de R$ 500 milhões; (ii) conclusão da aquisição dos Complexos Mandacaru e Salinas, em maio de 2021, com assunção da dívida do projeto com saldo atual de R$ 306 milhões; (iii) pré pagamento da 7ª emissão de debêntures, no montante de R$ 767 milhões, em novembro de 2021; (iv) captação da 1ª debênture de Tucano Holding II, de R$ 300 milhões, desembolsada no 4T21; e (v) juros e atualizações monetárias incorridos entre os períodos.

Adicionalmente, em março, a AES Brasil realizou a 1ª Emissão de Debêntures, totalizando R$ 1,1 bilhão a um custo de CDI+2,30% a.a. e vencimento em março de 2025. O montante captado será direcionado ao desenvolvimento das fases 1 e 2 de construção do Complexo Eólico Cajuína.

Em 31 de março de 2022, o caixa consolidado da AES Brasil somava R$ 2.225,4 milhões, e a AES Brasil Operações finalizou o primeiro trimestre de 2022 com um caixa de R$ 1.940,0 milhões, 18,8% superior ao caixa do mesmo período de 2021, de R$ 1.632,7 milhões. Desta forma, a dívida líquida consolidada da AES Brasil e da AES Operações é apresentada conforme abaixo:
 

Endividamento 
(R$ milhões)
AES Brasil
1T22
AES Brasil Operações
1T21
AES Brasil Operações
1T22
Var.
AES Brasil Operações
Dívida Bruta 6.459,2 6.167,3 5.358,3 -13,1%
Disponibilidades 2.225,4 1.632,7 1.940,0 18,8%
Dívida Líquida 4.233,8 4.534,6 3.418,3 -24,6%
Alavancagem (x)
(Dívida Líquida/EBITDA Ajustado)
não se aplica 2,07x 3,87x 1,8 p.p.

  
Covenants 

Após renegociação com os credores da 5ª e 6ª emissões de debêntures da AES Brasil Operações, em setembro de 2021, e com o pré-pagamento da 7ª emissão de debêntures no 4T21, o limite mais restritivo estabelecido pelas dívidas da Companhia, que era de 3,85x, passou a ser de 4,5x para a razão entre a Dívida Líquida e o Ebitda Ajustado. Adicionalmente, o índice de cobertura de juros, o qual não poderia ser inferior a 1,50x, passou a ser 1,25x.  

O índice de alavancagem (Dívida Líquida/ Ebitda Ajustado) encerrou o primeiro trimestre de 2022 em 3,87x. Já o índice de cobertura de juros (Ebitda Ajustado / Despesas Financeiras) fechou o 1T22 em 2,65x.

Para fins de cálculo dos covenants da AES Brasil Operações, de acordo as definições dos instrumentos financeiros, deve ser considerado a razão entre dívida líquida - composta pelo somatório de empréstimos, financiamentos, debêntures, e instrumentos de derivativos para eliminação do risco cambial das dívidas offshore, menos o saldo de caixa e equivalente de caixa, investimentos de curto prazo e contas reservas vinculadas às dívidas.

O EBTIDA Ajustado adiciona o EBITDA proforma dos ativos adquiridos relativo aos últimos 12 meses ao racional de cálculo, anteriores à data de liquidação da respectiva aquisição.
 

AES Brasil Operações (R$ milhões) 1T21 1T22 Var.
Dívida Bruta 6.167,2 5.358,3 -13,1%
Variação Monetária 4131 (69,3) 192,5 177,8%
Disponibilidades 1.632,7 1.940,0 18,8%
Caixa Adicional  - 247,9 n.a
Dívida Líquida 4.465,3 3.363,0 -24,7%
EBITDA (Últimos 12 Meses) 2.113,3 863,4 -59,1%
EBITDA Ajustado¹ (Últimos 12 Meses) 2.153,0 870,0 -59,6%
Covenant – Dívida Líquida/EBITDA 2,07 3,87 1,8 p.p

Considera últimos 12 meses dos projetos adquiridos

Cronograma de amortização da dívida5 (R$ milhões)

   

                   

       

  Dívida Bruta por Indexador6

           

                                                         

        

Custo7 (%) e Prazo Médio (anos)

           

     

                                                                                    

O aumento do custo médio das dívidas reflete, principalmente, o maior IPCA (04/2020-03/2021: 6,1% vs. 04/2021-03/2022: 11,30%) e CDI (04/2020-03/2021: 1,94% vs. 04/2021-03/2022: 6,19%) observado na comparação entre os períodos.




Rating

A Companhia possui os seguintes ratings em escala Nacional: 

Empresa Agência  Classificação/ Perpectiva  Atualização
AES Brasil Operações Moody’s¹ AA+.br – perspectiva negativa  set/21
AES Brasil Operações Fitch      AA(bra) – perspectiva positiva   abr/22
Alto Sertão II Fitch      AAA(bra) – perspectiva estável   mar/21
Tucano Holding II Fitch     AA(bra) – perspectiva estável abr/2

1Rating considera AES Tietê Energia S.A., extinta em novembro de 2021, ocasião de sua incorporação pela AES Brasil Operações S.A.

1  Considera Empréstimos, financiamentos e debêntures do passivo circulante e não circulante.
2 Considera caixa, equivalente de caixa e garantias de financiamento.
3 Considera caixa, equivalente de caixa e garantias de financiamento.
4 Ebitda ajustado para incluir os 12 meses dos ativos adquiridos, inclusive o período anterior ao mesmo fazer parte da estrutura da Companhia.
5 Fluxo composto por amortização de principal, líquido de operações de derivativos relacionadas.
6 Valores relativos ao principal. Não considera arrendamento financeiro.
7 Custo médio da dívida calculado com CDI de fechamento e IPCA acumulado (últimos 12 meses) na data de fechamento do trimestre. Tanto custo quanto prazo referem-se ao principal da dívida.
 

 

 

logo tiet3 logo tiet3 logo tiet4 logo tiet4 logo tiet11 logo tiet4 logo tiet4 logo tiet3 logo tiet3 logo msci

Copyright 2020 AES Brasil - Todos os direitos reservados

Desenvolvido: RIWEB